sexta-feira, 2 de abril de 2010

O dia que o mundo demorou para acabar

Senhoras e senhores do Pitty em Sampa, companheiros desta conversa de boteco. Deixa me apresentar antes de começar a digladiar nestas linhas tortas que vejo de meu trapézio: Me chamo Diego, tenho 22 anos, moro em São Paulo, sou um culpado, mas, não me sinto culpado, trabalho como socorrista na região do Varginha extremo sul de Sampa. Acho que assim esta bom, não é?

Bom, não pretendo escrever algo filosófico de uma conversa embriagada ou proclamar lamurias pelo efeito do álcool que aqui foi ingerido. Acho que melhor é compartilhar meus pensamentos, deste coração vagabundo, mas, não irei dar conselhos para comprarem e erroneamente não servirem como um sapato já gasto.

Hoje talvez o dia termine de cores acinzentadas, mórbidos e a tempestade se anuncia logo ali de sua janela ou até onde seus olhos podem acompanhar. Mas, não tema, não posso dizer que não ira tremer, não posso garantir nada a não ser de minhas experiências vividas nas ruas pútridas que percorro a mais de 200 km por hora.
Mas, posso sempre aconselhar que jogue seus medos apara o alto, só agora procure não ser severo com você, tudo ira terminar bem, tudo vai passar, não deixe que o sente pelo desconhecido vire algo temido, pois se fraquejar ira gritar, mas, ninguém poderá te ajudar, pois todos estão mudos, distantes e você se sentira só, porem não é a verdade plena, seus amigos, famílias e namorado ou namorada te adora e te acha foda. Talvez agora tudo que digo se perca de momento. Não seja guerreiro sem uma causa digna, pois guerrear sem honra é uma batalha já perdida.

Pois, se já damos tantas voltas e ficamos tontos, apenas vai o ultimo conselho, não estou vendendo, não compre, pois pode não servir, apenas é uma oferta, viva como hoje fosse seu ultimo dia, pode ser o mais longo, ou o mais curto, o mais doloroso para você pensar o que fez para merecer isso, mas, viva, encare de frente, pois seu lugar sob o sol estará garantido, não hoje, ou amanhã, mas, saiba que ele vira, tenha paciência a vida é rara como já dizia Lenine.
Agora, me levanto, saio, pago a conta e deixo a cadeira vaga para o próximo que aqui vai sentar pensar e falar.
Até a próxima.

- Dih Smith

5 comentários:

daniela disse...

Diih *-*
Gosteii! :D

Pc Guimarães disse...

O Dih escreve de mais! lindo texto!

Leonardo disse...

gosteiii!!!!!

umas frases bem colocadas!!

daniele disse...

Texto mto bem feito, com frases bem colocadas e com intertextualidade com as música da Pitty!!!
Parabens

Ass.: Daniele Coutinho- 18anos-Goiania GO

Diego Acéfalo disse...

*_*